PARA DEUS TUDO É POSSÍVEL- Santana do Ipanema - quinta, 21 de setembro de 2017

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

  Informação
Assistência Social
Cultura
Curiosidades
Economia
Educação
Entrevistas
Esportes
Geral
Moda & Beleza
Opinião
Polícia
Política
Religião
Saúde
Sexualidade
Turismo
Vídeos
  Especiais
Canal do Sertão
Especiais de Domingo
  Serviço
Documentários
Eventos
Galeria de Fotos
Guia de Negócios
Literatura
Shows e Festas
  Interativo
Fale Conosco
Mural de Recados
Rádio Portal Maltanet
Webmail
 
10/07/2010 - 12h 00min
Sexualidade

Sexualidade: Ejaculação Feminina

(Fotos: Ilustração)
www.erosmania.com.br

É impressionante que, às portas do século XXI, ainda se questione a existência da ejaculação feminina. Isso, graças à completa obscuridade em que se vê relegada a sexualidade da mulher.
Embora a ejaculação feminina seja uma descoberta mais revolucionária do que a do ponto G, é um fenômeno ainda desconhecido na nossa cultura. Ela ocorre com mais freqüência quando esse ponto é estimulado, provocando orgasmos consecutivos na mulher. O líquido límpido e transparente que esguicha da uretra, de repente e em jatos, é produzido nas glândulas de Skene e sua quantidade varia de 15 a 200 ml, podendo molhar bastante o lençol. Não tem nada a ver com o líquido que lubrifica a vagina, permitindo a penetração, pois nesse caso seria produzido no início da relação sexual e não no auge do orgasmo.

No início da década de 80, a análise química desse líquido foi feita na Escócia, estabelecendo a diferença entre fluídos ejaculados e urina. Entretanto, o desconhecimento da ejaculação feminina como consequência de um grande prazer sexual continua fazendo vítimas. Algumas vezes ela é confundida com urina, gerando sérios constrangimentos ao casal. Em outras, é mais grave ainda. Já houve casos de mulheres que foram encaminhadas para operação porque seus médicos acreditaram tratar-se de incontinência urinária.

Para haver a ejaculação o ponto G pode ser estimulado com o dedo ou com o pênis. Alguns autores consideram mais fácil no início que a estimulação seja feita com o dedo, num movimento para cima e para baixo. A pressão do dedo pode ir aumentando, assim como a velocidade. Ao contrário do que os homens pensam, o clitóris não deve ser tocado para a mulher atingir o orgasmo ejaculatório.

A reação das pessoas em relação à ejaculação feminina varia da repugnância ao êxtase, da perplexidade à aceitação. Uma mulher de 27 anos relata o que sentiu quando ejaculou pela primeira vez: "Quando aconteceu senti uma espécie de medo por não saber o que estava acontecendo. Estava com um ex-namorado que eu não via há um ano. Foi por acaso. Ele estava com o dedo dentro da minha vagina brincando, quando explodi por completo. Comecei a ter muitos orgasmos seguidos, acho que uns dez. Ele ficou muito espantado, perplexo mesmo, mas adorou. A cama ficou encharcada. Não dá para comparar com um orgasmo comum. Acho impossível existir no mundo um prazer físico que se aproxime deste."

   Comentários
Nome *
E-mail *
* Campos obrigatórios  
Comentário:

 Caracteres restantes : 1000
CAPTCHA Image
Digite o código de segurança da imagem acima: Obter outra imagem
 
 
© 2001/2017 - Portal Maltanet - Todos os direitos reservados