PARA DEUS TUDO É POSSÍVEL- Santana do Ipanema - sábado, 18 de novembro de 2017

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player


  Informação
Assistência Social
Cultura
Curiosidades
Economia
Educação
Entrevistas
Esportes
Geral
Moda & Beleza
Opinião
Polícia
Política
Religião
Saúde
Sexualidade
Turismo
Vídeos
  Especiais
Canal do Sertão
Especiais de Domingo
  Serviço
Documentários
Eventos
Galeria de Fotos
Guia de Negócios
Literatura
Shows e Festas
  Interativo
Fale Conosco
Mural de Recados
Rádio Portal Maltanet
Webmail
 
10/11/2017 - 12h 21min
Polícia

Coronel da PM diz que quem peitar a polícia em Batalha

(Fotos: Gazetaweb)
Por Gazetaweb, com Rádio Gazeta

Comandante do Policiamento de Área do Interior fala que não vai permitir que clima de insegurança se instale na cidade

Com a missão de garantir a paz em Batalha após a onda de violência que atingiu a cidade nessa quinta-feira (10), o comandante do Policiamento de Área do Interior I, coronel Walter do Vale, afirmou à Rádio Gazeta na manhã desta sexta-feira (10) que, quem "quiser peitar as forças de segurança", vai "levar tromba" e vai "para o caixão".

De acordo com o militar, que tem como função coordenar a atuação do 7º e do 9º Batalhão nos municípios do Sertão, as forças de segurança não vão permitir que se instale na região um clima de insegurança, alimentado sobretudo pela rivalidade entre as famílias Boiadeiro e Dantas.

"Eu conversei ontem. Tive de ir nas famílias. Fui conversar com a família do Zé Emílio, com o pessoal dos Dantas. Conversei com os familiares do Neguinho. E disse a eles que a gente não pode estar com essas coisas. E que, no momento em que eu estava aqui na cidade, que eu não iria permitir essas coisas. Todo mundo tem direito de falar o que quer. Agora que eu não permitiria. Se alguém acha que o passado vai voltar aqui na cidade, de se armar e vir aqui para a cidade para esculhambar, enquanto eu estiver aqui, vai se defrontar com a gente. E, se também quiser medir força, vai levar...vai levar pancada. A gente não vai permitir, o Estado de Alagoas não vai permitir, o governador Renan Filho não vai permitir, o secretário coronel Lima Júnior não permite isso, com o coronel Sampaio. E eu aqui não vou permitir", disse.

E acrescentou: "Se se armar e vier na cidade aprontar, vai levar tromba de lá. O Bope está aqui com as nossas tropas. Estou aqui para garantir a ordem, a paz da população. Agora se armar, querer jogar isso para o público. O que eu disse a eles foi o seguinte: vocês jogaram para o público. Agora vai ficar no direito aí de todo mundo tomar uma cachaça aqui na cidade, se armar e vir tomar satisfação. 'Ah, eu sou parente do Neguinho, vou me armar e vou tomar satisfação'. 'Ah, eu sou parente dos Dantas, vou me armar e vou tomar satisfação do lado de cá'. Isso não vai acontecer enquanto eu estiver aqui. Quem quiser peitar as forças de segurança, que venha. Vai levar tromba e eu vou botar no caixão. Se for para defender o estado de Alagoas e defender o homem de bem, eu vou tomar providências enérgicas".



Do Vale ressaltou, no entanto, que a polícia conseguiu "reestabelecer a ordem" e que, graças a atuação das forças de segurança, "não houve problemas maiores". "Houve a morte do vereador Neguinho Boiadeiro. Depois houve a tentativa de homicídio contra o Zé Emílio. Feito por um dos parentes do Neguinho, naquele momento, no calor da emoção. Mas a Polícia Militar conseguiu contornar a situação. Desde aquele momento estamos com a tropa do Bope, da Copes, com o 7º Batalhão e o apoio do Batalhão Rodoviário", ponderou.

O militar informou que a Polícia Militar reforçou rondas na região com o intuito, inclusive, de evitar que prédios públicos fossem atacados por criminosos. Havia informações por parte do Serviço de Inteligência, segundo ele, de que a sede da Prefeitura, a Câmara de Vereadores e até o Fórum da Justiça de Alagoas poderiam ser atacados.

Para o militar, não cabe à polícia, nem à população fazer nenhum tipo de pré-julgamento. Do Vale ressalta que caberá à Polícia Civil investigar o caso. "A Polícia Civil vai investigar. Pode ter sido uma linha de ação, mas pode ter tido outras linhas de ação. Não pode dizer que foi crime de mando", frisou.

Clique Aqui e veja a matéria completa

   Comentários
Nome *
E-mail *
* Campos obrigatórios  
Comentário:

 Caracteres restantes : 1000
CAPTCHA Image
Digite o código de segurança da imagem acima: Obter outra imagem
 
 
© 2001/2017 - Portal Maltanet - Todos os direitos reservados