PARA DEUS TUDO É POSSÍVEL- Santana do Ipanema - quinta, 19 de outubro de 2017

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player


  Informação
Assistência Social
Cultura
Curiosidades
Economia
Educação
Entrevistas
Esportes
Geral
Moda & Beleza
Opinião
Polícia
Política
Religião
Saúde
Sexualidade
Turismo
Vídeos
  Especiais
Canal do Sertão
Especiais de Domingo
  Serviço
Documentários
Eventos
Galeria de Fotos
Guia de Negócios
Literatura
Shows e Festas
  Interativo
Fale Conosco
Mural de Recados
Rádio Portal Maltanet
Webmail
 
10/10/2017 - 23h 12min
Economia

Preço do gás de cozinha tem novo aumento e pode chegar a R$ 85 por botijão em AL

(Fotos: Imagem Ilustrativa)
Por Enya Tenório | Portal Gazetaweb.com

Segundo Laedson Soares, presidente da Associação dos Revendedores de Gás do Estado de Alagoas, até dezembro valor deve aumentar mais

O preço do botijão de gás de cozinha vai sofrer mais um reajuste a partir desta quarta-feira (11), de acordo com a Associação dos Revendedores de Gás do Estado de Alagoas (Argal). Os preços podem variar de R$ 70 a R$ 85 por botijão.

O reajuste de 12,9% foi anunciado pela Petrobras nesta terça-feira (10) e se deu devido a variação das cotações do produto no mercado internacional.

Em Alagoas, esse reajuste vai ser de 19,8%. Devido ao último reajuste de 6,9% que ocorreu em setembro, serão inseridos agora junto com o acréscimo, o valor da pauta fiscal. Segundo o presidente da Argal Laedson Soares, os preços podem chegar até R$ 85 dependendo dos revendedores. Ainda segundo o presidente, até o mês de dezembro, novos aumentos já são esperados.

"Quem vendia o botijão por R$ 60, vai passar a vender por R$75 ou R$ 80, quem vendia por R$ 70, vai subir para R$ 80 ou R$ 85. O aumento vai depender do revendedor, porém, os distribuidores já vão fazer o repasse com o aumento. E pode ter certeza que até dezembro o preço pode aumentar ainda mais", disse o presidente.

No país

Em nota, o Sindigás, que representa as empresas distribuidoras de todo o país, estimou que, no Brasil, o reajuste oscilará entre 7,8% e 15,4%, de acordo com o polo de suprimento. "A correção aplicada não repassa integralmente a variação de preços do mercado internacional, com isso, o Sindigás calcula que o preço do produto destinado a embalagens até 13 quilos ficará 6,08% abaixo da paridade de importação, o que inibe investimentos privados em infraestrutura no setor de abastecimento", afirmou.

   Comentários
Nome *
E-mail *
* Campos obrigatórios  
Comentário:

 Caracteres restantes : 1000
CAPTCHA Image
Digite o código de segurança da imagem acima: Obter outra imagem
 
 
© 2001/2017 - Portal Maltanet - Todos os direitos reservados