PARA DEUS TUDO É POSSÍVEL- Santana do Ipanema - quarta, 24 de maio de 2017

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

  Informação
Assistência Social
Cultura
Curiosidades
Economia
Educação
Entrevistas
Esportes
Geral
Moda & Beleza
Opinião
Polícia
Política
Religião
Saúde
Sexualidade
Turismo
Vídeos
  Especiais
Canal do Sertão
Especiais de Domingo
  Serviço
Documentários
Eventos
Galeria de Fotos
Guia de Negócios
Literatura
Shows e Festas
  Interativo
Fale Conosco
Mural de Recados
Rádio Portal Maltanet
Webmail
 
24/08/2014 - 18h 19min
Especiais de Domingo

EDUFAL lança livro do escritor santanense Tadeu Rocha, na Bienal de São Paulo

(Fotos: Imagem Ilustrativa)
Por Prof. Dr. José Marques de Melo

Até meados do século XX, o jornalismo praticado em nosso país tinha grande afinidade com a literatura. Raro o escritor que se mantinha distante do jornal, idealizado como trampolim para ingressar numa academia de letras. Desta maneira, imaginavam os jovens intelectuais ter acesso ao olimpo, tornar-se celebridade.

Tadeu Rocha é uma espécie de estranho no ninho da sua geração. A modéstia o impediu de rondar as portas dos cenáculos literários, embora os frequentasse como repórter, para narrar efemérides, registrar acontecimentos.

Ele pertence à linhagem dos intelectuais eruditos que não se encastelaram nas muralhas do saber. Aprendeu a compartilhar o conhecimento acumulado, preservando laços atávicos com as tradições de origem. Tornou-se cosmopolita na cidade do Recife, a capital nordestina, onde viveu e morreu, no século passado.

Exercendo o jornalismo no velho Diário de Pernambuco, percorreu várias editorias – política, economia, cidades e serviços – aclimatando-se confortavelmente no caderno de cultura. Sempre que possível, pautou matérias de literatura. Desta maneira, reatou os vínculos outrora mantidos com a cultura peculiar à sua terra de origem, sem deixar de ser também jornalista polivalente.

Transitou com rara habilidade cognitiva entre a Literatura e o Jornalismo. Ancorado em referentes históricos e geográficos, contribui para tecer as malhas de uma cidadania plural, aberta e diligente.

Por isso mesmo, seu nome foi escolhido como um dos patronos da recém fundada Academia de Letras, Ciências e Artes de Santana do Ipanema (Alagoas).

Repleta de modéstia e farta de erudição, a narrativa que Tadeu Rocha legou à posteridade demonstra o exercício criativo do singular jornalismo literário. Desenvolvida nos suplementos culturais do Diário de Pernambuco, essa prosa foi seletivamente enfeixada em livros que circularam amplamente no território nacional.

No ano passado, voltou às livrarias seu clássico estudo sobre Delmiro Gouveia e a Cachoeira de Paulo Afonso. Circula, agora, Modernismo e Regionalismo (Maceió, Edufal, 2014), reproduzindo a série de reportagens sobre o movimento literário de 1922, desencadeado no país pelo Manifesto Modernista rascunhado por Mário de Andrade. O livro de Tadeu Rocha particulariza o impacto do Manifesto Regionalista de Gilberto Freyre na cultura rústica dos burgos alagoanos.

Incluindo este livro na Coleção Nordestina e agendando seu lançamento nacional durante a Bienal do Livro de São Paulo, a EDUFAL confere maior significado à instalação da academia literária de Santana do Ipanema. Nessa cidade, nasceu Tadeu Rocha, introduzindo seu povo, cenários e costumes no panorama intelectual brasileiro.

Apresentado à comunidade alagoana no dia 20 de agosto, em ato presidido pelo Reitor da UFAL, o livro de Tadeu Rocha certamente merecerá lançamento em Santana do Ipanema, pois a cadeira que tem o seu nome na Academia literária local tem como titular o jornalista José Malta Fontes Neto, fundador e dirigente do Portal Maltanet.

   Comentários
 
joao
terça, 26 de agosto - 10:08
... "NEGRAS e morenas, LOIRAS e mulatas, ALTAS e baixas, SELVAGENS e ternas, GOSTOSAS e intelectuais, TÍMIDAS e loucas, CLÁSSICAS e vanguardistas, JOVENS e eternas - são todas elas GUARDIÃS de paraísos extraordinários.\* DE Lygia Fagundes Telles a Gaby Amarantos, passando por Isis Valverde e Fernanda Lima. ... \* Patrícia Pillar, Maria Flor, Dira Paes, Fernanda Lima, Camila Morgado, Maria Ribeiro, Nicole Puzzi e Mayana Moura. A Luiza Brunet ...\* OUTRAS 100 homenagens prontas: Marieta Severo e Tainá Müller, p'o 2o VOLUME a ser lançado em julho de 2015.\* A GLÓRIA em vida. O WANDO das cantadas literárias. ... um quê de Serge Gainsbourg e suas baladas de motel também.\* "O Livro das MULHERES EXTRAORDINÁRIAS", 264 páginas, ODES a 127 moças diferentes, DE R$39,90 POR R$32,90 _ http://livraria.folha.com.br/livros/literatura-brasileira/livro-mulheres-extraordinarias-xico-sa-1240769.html
 
joao
domingo, 24 de agosto - 21:48
Comendador MALTA, \"madeira q CUPIM n RÓI" diz Lei MUN 826/2010 homenageando tbém Dona NILZA em 2015, TADEU em 2016. Ao SOM de CAPIBA [SURUBIM 28out1904-Recife 31dez1997) músico e compositor [_ http://pt.wikipedia.org/wiki/Capiba] #*# _ http://letras.mus.br/capiba/174179\* Madeira do ROSARINHO/ Vem a cidade sua FAMA mostrar/ E traz com seu PESSOAL/ Seu ESTANDARTE tão original\* Não vem pra fazer BARULHO/ Vem só dizer ... e com SATISFAÇÃO/ Queiram ou não queiram os JUÍZES/ O nosso bloco é de fato CAMPEÂO\* E se AQUI estamos, cantando esta canção/ Viemos defender a nossa TRADIÇÃO/ E dizer BEM alto que a injustiça DÓI/ Nós somos MADEIRA de lei que CUPIM não rói ... 1 das PREFERIDAS d Ariano de J Pessoa 16jun1927-Recife 23jul2014[_ http://pt.wikipedia.org/wiki/Ariano_Suassuna]\* Em SANTANA o 1o Prefeito ELEITO em 1937 derribado p DITADURA de Vargas até o FIM da 2a Guerra, re-DEMOCRATIZAÇÃO 1947 e 1985 c repasses FEDERAIS n anos 1960-80 p Santana "da PREFEITURA". Viva Santana do IPANEMA!!!
Nome *
E-mail *
* Campos obrigatórios  
Comentário:

 Caracteres restantes : 1000
CAPTCHA Image
Digite o código de segurança da imagem acima: Obter outra imagem
 
 
© 2001/2017 - Portal Maltanet - Todos os direitos reservados