Santana do Ipanema - quinta, 21 de setembro de 2017
  Literatura
Contos
Crônicas
Destaque Literário
Escritores
Espaço do Leitor
Histórias Engraçadas
Marcas do Passado
Não Tropeçe na Língua
Outras Peças Literárias
Poemas
Poesias
Reflexões
Versos e Prosas

  Informação
Assistência Social
Cultura
Curiosidades
Economia
Educação
Entrevistas
Esportes
Geral
Moda & Beleza
Opinião
Polícia
Política
Religião
Saúde
Sexualidade
Turismo
Vídeos
  Especiais
Canal do Sertão
Especiais de Domingo
  Serviço
Documentários
Eventos
Galeria de Fotos
Guia de Negócios
Literatura
Shows e Festas
  Interativo
Fale Conosco
Mural de Recados
Rádio Portal Maltanet
Webmail
 
Poesias
21/04/2017
RIO IPANEMA
Marcello André Fausto Souza


Corre, oh! Rio Ipanema,
entre pedregulhos e caminhos sinuosos.
Cerca tua cidade com teus últimos córregos de água salobra.
Faz de tuas viagens, intermináveis lamentos,
para que teus filhos não joguem em ti,
todos os teus enganos.
Daqueles banhos que nos destes,
daquelas águas que saciaram nossa sede.
Reveste agora, nossa alma de complacência,
Para que sejamos menos infames,
ao tirar tua pureza.
Rio Ipanema, os silvícolas do passado que tanto te reverenciaram;
Faz com que nós, agora menos civilizados,
Salvemos o teu leito ferido.
Rio é feito de enchentes e de vazios,
que ao adormeceres ao canto das rãs e das luzes dos vaga-lumes,
Ao acordares, foges pra bem longe,
para que não vejamos teu martírio.
Continuas a nos embalar com os teus ruídos das grandes cheias
e que tua intermitência aplaine nossos corações.
 
 
© 2001/2017 - Portal Maltanet - Todos os direitos reservados