Santana do Ipanema - terça, 23 de janeiro de 2018

  Informação
Assistência Social
Cultura
Curiosidades
Economia
Educação
Entrevistas
Esportes
Geral
Moda & Beleza
Opinião
Polícia
Política
Religião
Saúde
Sexualidade
Turismo
Vídeos
  Especiais
Canal do Sertão
Especiais de Domingo
  Serviço
Documentários
Eventos
Galeria de Fotos
Guia de Negócios
Literatura
Shows e Festas
  Interativo
Fale Conosco
Mural de Recados
Rádio Portal Maltanet
Webmail
 
Djalma Carvalho
Conheça o colunista Fale com o colunista
 

10/01/2018
DOUTOR E VAIDADE
 
Djalma de Melo Carvalho
Membro da Academia Santanense de Letras, Ciências e Artes.

Tornar-se vaidoso será a mesma coisa que se sentir importante no meio social, em sociedade, em qualquer lugar. O sentir-se importante terá semelhança com orgulhoso, conceito de si próprio dosado de certo exagero. Empáfia mesmo.
A escritora, pensadora e advogada, Larissa Foresto disse: “Vaidade é uma máscara, um véu sobre o vazio. A vaidade física esconde rugas, a intelectual, as inseguranças.”
O autor de Eclesiastes, Qohélet, o pregador, ou rei Salomão, filho de Davi, criticava bens, como a sabedoria, riqueza, fama, longa vida, e mostrava que, como fonte de felicidade, cada uma dessas coisas era vaidade, isto é, ilusão, aflição de espírito. Dizia, portanto, que “Vaidade de vaidades, tudo é vaidade”.
Voltando ao título desta conversa, encontro no mestre Houaiss o seguinte texto sobre o vocábulo “doutor”: “Título que, por cortesia (sic), se costuma dar àquele que é diplomado em curso superior, especialmente em medicina.”
Em regra, como dito acima, todo aquele graduado em curso superior poderá ser chamado de doutor, mas ressalte-se: por cortesia.
Entretanto, segundo o mesmo dicionarista, doutor, de verdade, será o título de quem, numa universidade, terá sido “promovido ao mais alto grau depois de haver defendido tese em alguma disciplina literária, artística ou científica (doutor em direito, em música, em medicina)”. Assim é definitivamente correto dar-se o título de doutor somente àquele que completou o doutorado, após o mestrado, com conclusão condicionada à apresentação de tese. Claro, aí se incluem os magistrados.
No mais, será sempre título dado por cortesia.
Lembro-me de que, no início do meu curso de direito em 1976, logo nas primeiras aulas, os professores chamavam a todos nós, alunos, de doutores, apelidos que cada um deveria carregar por toda a vida profissional. Uns, por vaidade; outros, porque chegariam ao doutorado ou exerceriam a função de magistrado.
A propósito destas digressões, recordo-me do rápido diálogo que tive, há algum tempo, com um jovem médico no corredor de uma clínica, aqui em Maceió, ao pedir-lhe certa informação.
Não havia lido, com clareza, seu nome gravado no jaleco branco. Perguntei-lhe: “Rapaz, dê-me, por gentileza, uma informação...” Antes que eu completasse o pedido, advertia-me ele: “Rapaz, não. Meu nome é Dr. Fulano!” Não me lembro mais do seu verdadeiro nome, porque já faz algum tempo.
Não me ocorreu, naquela oportunidade, responder-lhe, grosseiramente, dando-lhe o devido retorno. Até poderia lembrar-lhe que eu possuía graduação universitária, podendo ser, cortesmente, também tratado de doutor, como nos ensinara o mestre Houaiss.
Fiquei a pensar: esse jovem, coitado, mostra-se tão vaidoso, talvez nem tenha concluído a obrigatória residência médica pós-graduação, tampouco o doutorado em medicina. Nem tenha ouvido falar de Eclesiastes. Quem sabe?
Mas, durante sua carreira profissional, poderá curar muita gente.
Que Deus o ilumine.

Maceió, outubro de 2017.




Últimas publicações
- DOUTOR E VAIDADE
- BEBEDOR FLEX
- BALNEÁRIO CAMBORIÚ E OKTOBERFEST
Colunistas
Antonio Machado
MOTOS DO ABANDONO
Archimedes Marques
DELEGADO ARCHIMEDES CONTRA O MATA SETE
Augusto Ferreira
Solidariedade começa com pequenos gestos
Carlindo de Lira
INTERIORIZAÇÃO versus METROPOLIZAÇÃO
Carlito Lima
SOCORRINHO
Cicero de Souza Sobrinho (Prof. Juca)
Fabulosa
Clerisvaldo B. Chagas
Resposta Benigna a Machado
Djalma Carvalho
DOUTOR E VAIDADE
Fábio Campos
ELAS VIERAM DO CÉU.
João do Mato
O QUE É UM PROBLEMÃO PODE TORNAR-SE UMA SOLUÇÃO
Joaquim José Oliveira Chagas
RETALHOS DE UM PAÍS
José Ailson Ferreira Leite
TECLADISTA, PIANISTA E ORGANISTA - PARTE I - O PIANISTA
José Antônio (Toninho)
Cirurgiões-dentistas ganham autorização para solicitar exames complementares
José Avelar Alécio
ENSINO PÚBLICO DE ALAGOAS x ENEM
José de Melo Carvalho
AFONSO ALECIO GOMES, UM BANCÁRIO EXEMPLAR
José Malta Fontes
NÔ PEDROSA
José Vaneir Soares Vieira
VIII - A TERRA E O CÉU FUGIRAM DE DEUS - i
Luciene Amaral da Silva
DETALHES
Manoel Augusto
Jogos de azar !!!???
Maria Lúcia Nobre dos Santos
RIO BALDO
Marta Alves Lemos
Desabrochando pra vida!
Paiva Netto
Reflexão de Boa Vontade Desafiando o tabu individualista
Pe. José Neto de França
VOCE SE CONSIDERA UMA PESSOA MEDROSA?
Pedro Cardoso Costa
ABRAÇO DE AFOGADOS
Rogivaldo Chagas
A NATUREZA DAS ESCOLHAS
Sibele Arroxellas
TAMBORIM

Últimas Atualizações
Reflexão de Boa Vontade Desafiando o tabu individualista
MOTOS DO ABANDONO
ELAS VIERAM DO CÉU.
 
© 2001/2018 - Portal Maltanet - Todos os direitos reservados